22 de setembro de 2013

Satan Oculto E Adormecido E Desperto





"Potestades do Céo, dominios, tronos
Se em seu golpho o mesmo Abysmo
Nosso imortal vigor, posto que opresso,
Segundo vedes, embargar não pode,
Não julgo para nós o Céo perdido.
Virtudes celestiais que se alevantam
De queda tão tremenda mais gloriosas,
Mais fortes, mais terríves que antes d'ella,
Não mais teem que temer de outra derrota
Confiando em sua innata valentia.
Eu que por fixas leis, justiça eterna,
O vosso chefe sou, des'que existimos,
Também me honro do jus a tal grandeza
Por vossa livre escolha conferido,
E do que nos conselhos, nas batalhas,
Meu merito prestante me grangeia.
Até por fim os infortunios nossos,
Em grande parte reparados hoje,
N'esta suprema altura mais me firmam
Pois que n'um solio estou da inveja a salvo,
Possuindo alto poder, honrarias, delicias,
Pode ser invejado do Céo o trono;
Mas quem no Inferno invejará tal sitio
Que mais erguido, qual baluarte vosso,
Mais do Deus vingador se expõe aos raios
E a ter maior quinhão na infinda pena?
Onde bens faltam, que ambições provoquem,
Não ha de que temer a rebeldia:
Ninguém põe mira na realeza do Orco,
Nem ambicioso quer que mais avulte
A pena atual que diminuta soffre.
Fortes d'esta vantagem, procuremos
Com mais acordo e união, com mais lealdade
Do que vimos no Céo, ganhar de novo
De nossa herança justa o ancião dominio,
Mais certos do sucesso afortunado
Do que se elle nos viesse da fortuna.
Versa o debate sobre sobre qual dos modos
Convêm, se guerra aberta ou trama occulta.
Falae, expande os parecêres vossos."

Satan discursando,
Canto II de
O Paraíso Perdido



Inomináveis Saudações a todos vós, leitores virtuais.

O trecho acima de O Paraíso Perdido, do poeta inglês John Milton, diz muito acerca de muitas verdades inseridas em suas palavras. Verdades que poucos podem ver. Verdades que todos podem ver. Verdades que muitos não querem ver. Verdades que muitos recusam-se a ver. Verdades que apenas ao fátuo toque do desejo de conhecer podem dizer tudo acerca do ir, do vir, do acontecer, do não ir, do não-vir e do não acontecer de todas as Coisas Moldadas. Não houveram erros de português acima, apenas utilizei o português do século dezenove da edição portuguesa do ano de 1884 daquela obra-prima magistralmente coroada com muitas Verdades Ocultas E Certezas Encontráveis Para Aqueles Que Buscam Encontrar Toda Certeza No Grande Mar Material E Espiritual Da Criação. O idioma português atual, comparem, perdeu toda a beleza que possuia tanto na escrita quanto na fala devido às "grandes revisões idiomáticas" que houveram após o século dezenove.

 Mas, eu não vou falar nesta reflexão acerca do nosso idioma. Vou falar de Satan. Esta é a terceira vez que estou escrevendo esta reflexão, mas parece que Algo a esta impedindo de ser publicada. Seria Satan? Ou estou fantasiando, imaginando, Algo que não existe? Satan pode ser um mero mito. Satan pode ser uma mera fantasia. Satan pode ser um mero fantasma. Satan pode ser uma mentira. Satan pode ser uma verdade. Satan pode estar agora aqui ao meu lado, inspirando-me, permitindo-me sobre Ele escrever. Ou eu posso estar, apenas como poetas e escritores, a falar de alguém imaginário, um personagem do inconsciente coletivo que foi moldado para ser um bode expiatório de todos os crimes humanos, para que os crimes maiores, crimes menores, crimes eternos ou crimes temporários da Humanidade tenham uma desculpa para serem explicados. Talvez Satan, Aquele Que Foi Lúcifer, O Portador Da Luz, A Estrela Alva Da Manhã, Aquele Que Desafiou Aquilo Que Possui Muitos Nomes Mas Não Possui Nenhum Nome, exista. 

Os místicos dizem que apenas podemos encontrar o Nosso Pai Creador, O Princípio Que A Tudo Manifesta Eternamente, se olharmos para o nosso Eu Verdadeiro, o nosso Ser Interno. Invertamos essa Busca Maior e imaginemos, Irmãos Blogueiros, um suposto místico procurando em si a Satan. Tal místico teria Satan em si. Tal místico veria Satan em si. Tal místico compreenderia Satan em si. Tal místico aceitaria Satan em si. Tal místico abraçaria Satan em si. Tal místico encontraria em si o seu Satan Oculto. Tal místico encontraria em si o seu Satan Adormecido. Tal místico encontraria em si o seu Satan Desperto. Tal místico não seria bom, não seria mau. Tal místico não seria Luz, não seria as Trevas. Tal místico não estaria no Bem, tal místico não estaria no Mal. Tal místico saberia que o Satan Interno é uma experiência silenciosa dentro de si mesmo. Podemos, nesta suposição, vermos que tal místico seria mais corajoso do que muitos de nós que estremecemos diante do desejo de conhecermos ao que oculto possuimos em nossa Alma Eterna. 

Eu me pergunto se teria a coragem de realizar algo assim. Talvez vós todos estejam se perguntando se teriam tal coragem desafiadora de tudo como as palavras acima de Satan discursando. A resposta eu não posso dar-lhes, ela é interna. As vossas respostas recomendo que procurem e internamente guardem-na. Ou esqueçam-se destas palavras a tocarem no Dogma Da Queda. Tal Dogma pode ser A Verdadeira História Do Início Da Humanidade. Tal Dogma pode ser uma Grande Mentira Maior. Talvez o Dogma possa conter Verdades. Talvez o Dogma possa apenas ser invenção puramente religiosa/supersticiosa. 

Talvez eu seja Satan. 

Talvez todos nós sejamos Anjos Caídos.

Saudações Inomináveis a todos vós, leitores virtuais.

21 de setembro de 2013

Gena Showalter



Inomináveis Saudações a todos vós, Coveiros e visitantes.
 
Gena Showalter (nascida em 1975 em Oklahoma ) é um autora americana nos gêneros de romance contemporâneo de cunho gótico e sombrio, sobressaindo pela série Senhores Do Mundo Subterrâneo.

Showalter vendeu seu primeiro livro aos 27 anos de idade, e já publicou mais de 25 livros. Ela foi nomeada por The New York Times e USA Today como autora de bestsellers. Showalter foi publicada com êxito no mercado adulto adultos e jovens, com obras alcançando grande represcussão junto ao público.

Series
Imperia

The Stone Prince, September 2004 ISBN 0-373-77007-3
The Pleasure Slave, February 2005 ISBN 0-373-77032-4

Alien Huntress

Awaken Me Darkly, June 2005 ISBN 0-7434-9749-X
Enslave Me Sweetly, June 2006 ISBN 0-7434-9750-3
Savor Me Slowly, January 2008 ISBN 1-4165-3163-7
"Tempt Me Eternally" in Deep Kiss of Winter, February 2009 ISBN 1-4391-5966-1
Seduce the Darkness, June 2009 ISBN 1-4165-3164-5
Ecstasy in Darkness, Oct 2010 ISBN 1-4391-7577-2
Dark Taste of Rapture, August 2011 ISBN 1-4391-7578-0

Teen Alien Huntress

Red Handed, June 2007 ISBN 1416532242
Blacklisted, July 2007 ISBN 1416532250

Atlantis

Heart of the Dragon, September 2005 ISBN 0-373-77057-X
Jewel of Atlantis, February 2006 ISBN 0-373-77096-0
The Nymph King, February 2007 ISBN 0-373-77188-6
The Vampire's Bride, March 2009 ISBN 0-373-77359-5
The Amazon's Curse, March 2009 ebook; also in the Into the Dark, May 2010 ISBN 0-373-77451-6

Lords of the Underworld

The Darkest Fire (prequel to Lords of the Underworld), April 2008 novella ebook—Geyron (Guardian of Hell)
The Darkest Night, May 2008—Maddox (Keeper of Violence)
The Darkest Kiss, June 2008—Lucien (Keeper of Death)
The Darkest Pleasure, July 2008—Reyes (Keeper of Pain)
The Darkest Prison, July 2009 novella ebook—Atlas (Titan God of Strength)
The Darkest Whisper, September 2009—Sabin (Keeper of Doubt)
The Darkest Angel novella in Heart of the Darkness and in the anthology Dark Beginnings, January 2010—angel Lysander
The Darkest Facts: A Lords of the Underworld Companion, May 1, 2010-in the anthology Into the Dark
The Darkest Passion, June 2010—Aeron (Keeper of Wrath)
The Darkest Lie, July 2010—Gideon (Keeper of Lies)
The Darkest Secret, April 2011—Amun (Keeper of Secrets)
The Darkest Surrender, September 2011—Strider (Keeper of Defeat)
The Darkest Seduction, February 2012—Paris (Keeper of Promiscuity)
The Darkest Craving, July 30, 2013-Kane (Keeper of Disaster)

Tales of an Extraordinary Girl

Playing With Fire, September 2006 ISBN 0-373-77129-0
Twice as Hot, February 2010 ISBN 0-373-77437-0

Royal House of Shadows

Lord of the Vampires
Lord of Rage (written by Jill Monroe)
Lord of the Wolfyn (written by Jessica Anderson)
Lord of the Abyss (written by Nalini Singh)

Angels of the Dark series

Wicked Nights, June 2012 ISBN 0-373-77698-5
Beauty Awakened, February 26, 2013 ISBN 0-373-77743-4

Otherworld Assassins series

Last Kiss Goodnight, December 26, Cover art by Nathália Suellen , Published by Simon and Schuster 2012 ISBN 1-4516-7159-8

Contemporary romance

Animal Instincts, April 2007 ISBN 0-373-77199-1
Catch A Mate, June 2007 ISBN 0-373-77235-1

Young adult
Stand Alone

Oh My Goth, July 2006 ISBN 1-4165-2474-6

Alien Huntress world

Red Handed, June 2007 ISBN 1-4165-3224-2
Blacklisted, July 2007 ISBN 1-4165-3225-0

Intertwined series

Intertwined, September 2009 ISBN 0-373-21012-4
Unraveled, August 2010 ISBN 0-373-21022-1
Twisted, August 2011 ISBN 0-373-21038-8

White Rabbit Chronicles series

Alice in Zombieland, September 25, 2012 ISBN 0-373-21058-2
Through the Zombie Glass, September 2013

Anthologies

"The Witches of Mysteria and the Dead Who Love Them" in Mysteria, July 2006 ISBN 0-425-21106-1
"A Tawdry Affair" in Mysteria Lane, December 2008 ISBN 0-425-22294-2
"Tempt me Eternally" in Deep Kiss of Winter, October 13, 2009 ISBN 1-4391-5966-1
"The Darkest Angel" in Heart of Darkness, January 2010 ISBN 0-373-77431-1
"The Darkest Fire", "The Darkest Prison", and "The Darkest Angel" in Darkest Beginnings, April 16, 2010 ISBN 0-7783-0371-3
"The Darkest Fire", "The Amazon's Curse", and "The Darkest Prison" in Into the Dark, April 27, 2010 ISBN 0-373-77451-6
"Temptation in Shadows" in The Bodyguard, June 29, 2010 ISBN 0-312-94323-7
"Ever Night" in On the Hunt, February 1, 2011 ISBN 0-451-23243-7

Misc

Dating The Undead - Loving The Immortal Man December 27th, 2011 ISBN 0-373-89252-7

Reviews and press

USA Today published list for Paperback Fiction, of February 8, 2007 named Gena Showalter a USA Today Best Selling Author.

The New York Times published list for Paperback Fiction, of February 18, 2007 named Gena Showalter a NY Times Best Selling Author.

Para mais informações sobre e autora, acessem:

Site Oficial

Blog

Booklist

Página de autora na Amazon

Site na UK Publisher







20 de setembro de 2013

Francis Bacon



Francis Bacon - Foto Por John Deakin











Tríptico - Estudo Para Auto-Retrato - Pela Ordem: Esquerda, Centro E Direita - 1979



Contorções de um corpo
Imagem-momento
Sede das sensações
Sentidos não-relatados
Extendida a ação
Explanada a reação
Contínua a destruição
De toda representação
Fala a imagem
Vozes da imagem
Apenas imagem
Apenas a deformação
Apenas a dobra
Apenas a descida da carne
A carne aparecida
A carne transbordante
A Carne


Inomináveis Saudações a todos.

Predominância da carne na situação do todo expansível de visibilidade nos quadros é o que pode ser notado nas obras de Francis Bacon (1909-1992). Magna é a sensação que se explora na expressividade da carne a dobrar-se, contorcer-se, a ser uma explosão de valores significativos não-significativos. Entre a não-significação e a não-narração, entre a não-classificação e a não-fixação, podem ser notadas as variantes possíveis de um estudo apurado da imagem que se dobra e contorce. Não-significação é a pluralidade da obra de Bacon. Não-narração é a singularidade da obra de Bacon. Não-classificação é a originalidade da obra de Bacon. Não-fixação é a premissa da obra de Bacon.

Há outros não-significativos, os todos-significativos não-significativos, os nadas-significativos não-significativos. Entre o todo que visível percebe-se na contextualização de seus quadros, há o nada que pode perceber-se na não-contextualização de seus quadros. O todo é um construto que permite o percepto do nada e o nada é o afecto do construto de si mesmo, ampliando-se na textura das variações dos mecanismos da imagem. A carne dobrando-se, contorcendo-se, não é nem o todo e não é nem o nada, assim como os possíveis objetos que estejam em seu redor. O tecido carnal totaliza a individualização e a totalização não-significativa da imagem, nesta encontram-se germinadas outras não-significações, germinadas outras não-impressões, permitindo, então, ao mecanismo da sensação, em lógica primeira e primorosa de não-significação, atuar na moldura da ação observatória.

A observação de cada obra de Bacon deve ausentar-se da narração, esquecer a narração, assassinar de maneira cruel e lenta a narração. Muitos são tentados a encontrarem em toda obra de pintura uma narrativa coesa, uma narrativa densa, uma narrativa que adeque o objeto presente na imagem à subjetividade incessantemente adequada ao espacializado classificar da mesma. Nada narrar e tudo contemplar, ser a carne dobrando-se, ser a carne contorcendo-se, ativar a mente na carnalidade toda se produzindo nos fundamentos não-narrativos dos quadros, pluralmente é uma meta de força para a apreciação da força presença nos quadros de Bacon.

Dentro da própria força fazendo a carne dobrar-se, fazendo a carne contorcer-se, está a não-clasificação. Não se pode conter um grão significativo de classificação, a classificação tão dileta pela Humanidade, na expressividade da mente a agitar-se na contemplação da obra baconiana. Explora-se a força, em si mesma, do conteúdo carnalizado que flui por todo o quadro. Todo quadro de Bacon é Carne, Pura Carne, Carne Viva, Carne Presente, Carne Atuante, Carne Falante, Carne Privada, Carne Pública, Carne Repulsiva, Carne Atraente, Carne Compulsiva, Carne Obsessiva, Carne De Carne. Comestível, A Carne sai de cada quadro. Comestível, A Carne tonifica a força da vida do quadro. Comestível, A Carne situa-se na forma que constrói a potencialidade essencial do quadro.

A Carne não se fixa, movimento nota-se no quadro. Se desmistificarmos o que significa o não-contemplar algo com olhos narrativos e, simplesmente, nos apresentarmos como que partes da Carne do quadro, alcançamos a concepção dos objetivos de Bacon na execução dos mesmos. A Carne é fácil de ser alcançada, basta digeri-la sem maiores esforços intelectivos. A Carne se oferece, devemos consumi-la, a experiência com Ela nos consome também, nos faz agir nas diretrizes de sua desenvolta canalização de forças na própria Força que a conduz ao nosso olhar e ao seu insistir e existir e resistir. É de uma lógica sensitiva aprioristicamente desconstrutiva da convencional apreciação de obras de pintura a da proporcionalidade de execuções da atitude nossa diante de um quadro de Bacon. A ação de cada um deles é uma ação não-fixa, nós nos movemos com a Carne, sentimos o mover da Carne, apalpamos A Carne, somamos nossos Eus à Carne. Essa não-fixidez leva à execução do fim de qualquer possível história que possa ser contada, que possa ser absorvida, que possa ser conduzida, no examinar da Carne se fazendo notar ao nosso olhar.

A viagem não é longa diante de estudos do tipo. A viagem não acaba ao último parágrafo do livro de estudos sobre estudos desse tipo. O cabedal de informações nas deformações proporcionadas pela arte baconiana é objeto de ricas paragens sensitivas demasiadamente superiores às paragens comuns de estudos sobre a Pintura. Não se pode dizer que se possa ser indiferente ao Deformado, ao Descarnado, ao Impossível Possível Reinado Do Primado Da Carne na obra baconiana. O escorrer da Carne na tela, a tinta a contribuir para a vitalidade da imagem que configura a sua límpida ação a refletir-se em nosso olhar contemplativo, a densidade dos caminhos flexionados no destino indeterminado não-determinativo de nossa chegada a uma mais concreta opinião, contribui para a formadora formação da opinião corrente da grandiosidade do talento do executor de tal obra, obra como um todo descarnante, obra como um nada descarnante, obra de não-todo descarnante, obra de não-nada descarnante.

O Descarnado. O Deformado. A Carne. A Não-Carne, agora potencializando as pequenas coisas não-presentes nos quadros e que pode-se perceber mais cuidadosamente em um exame isento de anteriores possíveis possibilidades de quase chegar-se à narrativa. Contudo, a narrativa fica adormecida, não pode haver narrativa, há a Mutação, de quadro a quadro, da Carne Descarnada, da Carne Deformada, da Carne Não-Carne. Objetiva-se o Visual. Objetiva-se o Virtual. Como a tela mais vitalizada de todas, somente se é possível compreender Bacon pondo-se do ponto de vista da Carne dobrando-se, contorcendo-se, deformando-se, descarnando-se, servindo ao propósito da contextualização não-contextualizante de facetas não-significativa, não-narrativa, não-classificativa, não- fixadora, estrategicamente configurada na obra baconiana. Tal configuração é não-configurativa, à medida que se contempla o Espaço completo da tela, vertentes de mensagens e de novas imagens formam-se, não com o intuito da narração, da siginificação, da classificação, da inércia; na estrada da potência potencializante dessas vertentes, o contemplador torna-se O Contemplado e A Carne serve, nesta altura, ao coexistir do mesmo em sua atmosfera descarnalizante.

O Contemplado é, então, A Força Deformadora, A Força Descarnante, nativamente impressa na tela. O Contemplado vive na Carne que pulsa na tela. O Contemplado, objetivando-se na contemplação de si mesmo, sendo Contemplador, pode, finalmente, compreender o dito não-tido/não-significativo/não-narrativo/não-classificativo/não-fixo da baconiana virtude do descarnalizar moldar de todos os intensos tensos soberanos panoramas deformantes, descarnantes, dobrantes, contorcedores, da mesma. Formativa/Deformadora Ação que acompanharemos aqui neste tópico dedicado a um dos grandes pintores do século vinte, originalíssimo e que não deixou discípulos, pois a sua arte é inimitável, única, exclusivamente nascida de sua profunda imaginação e profundo talento. Os comentários e as reflexões aqui contidas advirão da leitura que este Inominável Ser fez do livro Francis Bacon - Lógica Da Sensação, de Gilles Deleuze (1925-1995). Convido aos interessados que, mesmo assim, este tópico está sendo aberto para que interpretemos, a partir de nossas próprias visões, sobre o que nos diz cada uma das pinturas dele, sem nos atentarmos, demasiadamente, ao dito no livro especificado, do qual apenas utilizarei algumas citações para melhor ampararmos as nossas discussões.

Para lerem uma biografia de Francis Bacon, acessem:

Francis Bacon – Biography

18 de setembro de 2013

Os Desenhistas De Lady Death



Inomináveis Saudações a todos vós, Coveiros e visitantes!

Lady Death é outra das Musas veneradas por este Inominável Ser que vos fala. Foi outra personagem que, assim como Vampirella, teve pouca atenção das editoras aqui do Brasil, sendo tratada como lixo apenas por não ser uma personagem da DC ou da Marvel. Porém, graças à Internet, podemos apreciar não apenas as suas histórias, mas, também, a Arte maravilhosamente sensual produzida pelos seus desenhistas.

Sensual, aterradora e arrebatadora... Adjetivos bastante interessantes para o que artisticamente se produz na área do Desenho relacionado a esta interessantíssima personagem.

Iniciemos apreciando a arte de Richard Ortiz.

E que esta Deusa vos abençoe, Coveiros e visitantes!






























17 de setembro de 2013

Ciruelo Cabral












Dragon Head

























India






Inomináveis Saudações a todos vós, Coveiros e visitantes.



Ciruelo Cabral é um magnífico ilustrador, pintor e escultor argentino, senhor de uma magnífica técnica de uma aprimoradíssima natureza, senhora de grande autoridade em suas criações artísticas.



Recentemente, eu o descobri na Internet e vou ainda falar muito dele neste tópico. Caso queiram saber dos dados biográficos do mesmo, acessem esta página pertencente ao site oficial dele:






Neste primeiro post, vamos apreciar mais um pouco da Arte dele?
















Beauty And The Beast












The Dragon's Treasure

16 de setembro de 2013

Michael Möbius




Inomináveis Saudações a todos.



Sedução e poder da emoção...



Emoção e poder da noção...



A emoção da pele...



A noção da pele...



Mansões...



Missões...



Manipulações...



Mansões da pele...



Missões da pele...



Manipulações da pele...



Mulher...



Pele...



Mulher...



A pele...



Mulher...



A feminilidade...



Mulher...



Toques nela...



Mulher...



Passes por ela...



Mulher...



Encares o odor dela...



Mulher...



Encares o olhar dela...



Mulher...



Sintas o respirar dela...



Mulher...



Emoção primordial...



Mulher...



Emoção essencial...



Mulher...



Emoção espiritual das mais sensibilizantes do que se fundamenta no Natural...



Mulher...


Michael Möbius nos transmite estas visões e versões de visões íntimas e pessoais com as caracterizações feminis apresentando simbolismos os mais fetichistas e essenciais em sua obra. Mesmo que queiramos apenas notar a intensificante sensualidade em suas ilustrações, algo de simbóilico em nos permite percorrer as significâncias latentes de uma expressividade fundamentada na unificação de nossos sentidos em identificarmos os dizeres inseridos naquelas de uma maneira a objetivar-se um outro tipo de alcance, que resulta em análises as mais aprofundantes e fertilizantes de nossa consciente forma de sermos estetas. Estetas autodidatas ou não, a fórmula não admite uma fórmula para funcionar e nem mesmo configura-se como uma forma; a Arte de Möbius, como a de todos os ilustradores com uma latente vertente erótica, nos intima a naturalmente nos conceder uma chance de livremente interpretá-la.



Nascido em Dresden, Alemanha, em 1968, sempre fora apaixonado por Arte, desde a infância. Após formar-se em Engenharia Civil, ele realizou o seu sonho de infância, que era se tornar pintor, mudando de carreira imediatamente. Trabalhando como artista independente e ilustrador freelancer, construiu uma sólida e importante carreira com o passar dos anos, ganhando o respeito de todos os demais ilustradores e amantes da Arte Da Ilustração. Em 1994 ganhou um concurso de ilustradores europeus e entre os anos de 1996 e 1998 estudou Arte na Academia de Belas-Artes de Dresden. Durante estes estudos conseguiu recursos financeiros para bancar seu futuro como ilustrador, trabalhando para o ramo de Design de Projetos Industriais. Após este período, passou a exibir suas pinturas nos Estados Unidos, país através do qual ganhou notoriedade. Um resumo dos eventos e exibições mais importantes dos quais participou:




1999 Opening exhibition, Robert Bane Global Gallery



Group Exhibit, Playboy Expo, Los Angeles, CA



San Diego Comic Con, San Diego, CA



Art Expo, New York




2000



San Diego Comic Con, San Diego, CA




2001



Internext Expo, Las Vegas, NV



Art Expo, New York



Mega Con, Orlando, Fl



Robert Bane Gallery



Glamourcon 25; Internext Expo, Las Vegas



Comic Con, San Diego, CA



Art Brilliant, Tokyo



Glamourcon 26, Chicago



gallery Tosaka, Paris, France



Galerie D, Caan



Wizard World – Chicago



Fine Art Expo, Las Vegas



Vintage & Modern Pin-up Show, Los Angeles



Glamourcon 27, Los Angeles




2002



Art Brilliant, Tokyo



Art Expo, New York



Gallery Tosaka, Paris, France



Glamourcon 28, Los Angeles



Fine Art Expo, Las Vegas



'Make a Wish' auction, Los Angeles




Em seu belíssimo site, vós podereis aceder a mais um pouco de sua biografia e carreira:


http://www.moebiusart.com



Introduzindo o universo de Möbius a seguir...


Qual pele dialoga oonosco mais do que a feminil pele?



Qual Arte mais original do que a enatecedora da Beleza Sublime Do Corpo?



Isto é Natural.



Isto é completar-se ao sentir a pele pulsante através do Ser Da Arte.





Platinum




Wild Orchid




Woman In Chair




Seeing Double




Pearls




Devin With Rose




Mask




The Look




Key

15 de setembro de 2013

ALQUIMIA GOTHIC NIGHTS - 21/09/2013 - SÃO PAULO/SP


Por

 Olá amigos tudo bem?
Dia 21.09 já está chegando.....e com ele muitas surpresas em uma noite muito especial....
Como em todas as edições do Alquimia estaremos divulgando antecipadamente os brindes que serão sorteados...
Todos os convidados pagantes da n
oite concorrem aos brindes .....atentem para a numeração das suas pulseiras.....
Serão sorteados na ocasião: 02 garrafas de Absinto Père Kermanns , 01 vale compras da Loja Fake No More Gothic Clothing, 01 Exemplar Autografado do livro “ Bruxas” da escritora Lady Mirian Black, Acessórios, Camisetas e outras surpresinhas.....
Lembrem-se:
Que os 20 primeiros convidados pagantes levam de presente um DVD selecionado pelo Alquimia Gothic Nights e que os 100 primeiros degustarão gratuitamente de uma tacinha de Absinto ou Licor de Cassis na entrada do evento.......
Vai ficar de fora?







LIBERTINE FESTIVAL E SM PROJECT - 12/10/2013 - SÃO PAULO/SP


Libertine Festival & SM Project
Onde todos os seus desejos se realizam!!!

Sábado, 12 de Outubro – a partir das 23hs

Local: Club Uranus
Rua Dr Carvalho de Mendonça, 40 – Metrô Santa Cecília
Infos: (11) 98161-1770 TIM ou (11)3822-2801 FIXO

Preço único $ 30,00 – Lista amiga $ 20,00
e-mail: lista_smproject@yahoo.com.br (serão aceitos nomes até 22 de Outubro)

Sorteio de 2 vodkas SKY
Na noite: BDSM, Dominatrix, SM, Fetish, Suspensão com cordas, Perfuração, Desfile, Stands e Performances

Na Pista: Gothic Rock, EBM, 80’s e 90’s, Electro, Post Punk e muito mais...
DJs: Fernanda Fox, Lord A, Beto Soares, Fabiano,Chacal, Christian Anubis e Jack

Atrações: Suspensão com cordas – Senhor WZ, Dominação – Lady Jalilh, Sensual Dance – Bruxinha Scoth, SM – Diovanna Capus e Perfuração – Free Hand

Desfiles: Olhar de Gata – visual fetish, dark, goth e acessórios

Stands: Sanguinária Roupas, Gotik Acessórios, Miss Dark, Olhar de Gata e Bats e Bees

Julie Strain



Inomináveis Saudações a todos vós, Coveiros e visitantes.

Esta é A Musa Alternativa, uma das grandes modelos underground de que se tem notícia. Como este espaço aqui foi aberto no Projeto C.O.V.A. para a admiração e a divulgação, em fotos, da Estética da Modelagem, porque não falarmos da Deusa Julie Strain? É a Musa B do Cinema, foi Pet do mês de junho de 1991 da Penthouse, a Pet do Ano desta mesma revista em 1993 e já foi a inspiração de artistas como Luis Royo, Boris Vallejo, Julie Bell, Dorian Cleavenger e Olivia de Berardinis (somente FERAS do mundo da Arte!).

Nascida em 18 de fevereiro de 1962 em Concord, na Califórnia, graduou-se na Diablo Valley College com méritos atléticos notáveis. Quando era jovem, teve uma lesão grave ocasionada em seu cérebro por causa de uma queda de cavalo, perdendo grande parte de suas memórias de juventude. Mudou-se para Las Vegas já adulta, depois para Hollywood, onde a sua carreira decolou.

Conhecida como A Rainha Dos Filmes B, tem mais de cem filmes em seu currículo. Sua estatura de 1,85 m chama a atenção, assim como sua grande beleza física e de rosto, características que lhe foram fundamentais na carreira de atriz. Foi casada com Kevin Eastman, criador das Tartarugas Ninja Mutantes e editor norte-americano da Heavy Metal. Aliás, ela era uma presença frequente nesta revista, tanto que foi uma das vozes presentes no longa-metragem de animação de mesmo nome do ano de 2000 e foi a base para a atiradora em 3D do jogo Heavy Metal: FAKK 2.

Eis a sua lista de filmes:


1990 Repossessed

1991 Night Visions
Midnight Heat
Out for Justice
Double Impact
Carnal Crimes

1992 Soulmates
Evil Lives (USA: video title)
Ambitious Desires
Penthouse Satin & Lace
Erotic Dreams
Kuffs Kane's Girl
Mirror Images
Witchcraft IV: The Virgin Heart
Night Rhythms

1993 Love Bites
Enemy Gold
Future Shock
Bikini Squad
Penthouse Satin & Lace II: Hollywood Undercover
The Unnamable II: The Statement of Randolph Carter
Love Is Like That
Fit to Kill
Teasers

1994 Play Time
The Devil's Pet
Naked Gun 33 1/3: The Final Insult
Beverly Hills Cop III
Infernal Soldiers
The Dallas Connection
Baywatch

1995 Takin' It Off Out West
Big Sister 2000
Starstruck
Married People, Single Sex II: For Better or Worse
Penthouse: Behind the Scenes
Blonde Heaven
Johnny Mnemonic: The Interactive Action Movie
Temptress II
Victim of Desire
Midnight Confessions
Virtual Desire

1996 Squanderers
Penthouse: All Access
Sorceress II: The Temptress
Day of the Warrior
Hollywood: The Movie
Red Line

1997 The Last Road
Heavenly Hooters
Hollywood Cops
St. Patrick's Day
Busted
Bikini Hotel
Guns of El Chupacabra
Lethal Seduction

1998 Masseuse 3
Lingerie Kickboxer
L.E.T.H.A.L. Ladies: Return to Savage Beach
Armageddon Boulevard
Dark Secrets
Sex Court (TV series)

1999 Ride with the Devil
The Escort III
Wasteland Justice
Vampire Child
Devin's Barefoot Initiation
Desirable Liaisons (TV series)
Bloodthirsty
Babewatch Biker Babes
Captain Jackson (TV series)

2000 The Independent
Heavy Metal 2000
The Rowdy Girls
The Bare Wench Project
Heavy Metal F.A.K.K.2
Centerfold Coeds: Girlfriends

2001 Sex Court: The Movie
Purgatory Blues
The Bare Wench Project 2: Scared Topless
BattleQueen 2020
The Man Show TV episode
How to Make a Monster

2002 God Squad!
Thirteen Erotic Ghosts
Exquisite Feet
Smoke Pot Till You Fucking Die
.com for Murder
Planet of the Erotic Ape
The Bare Wench Project 3: Nymphs of Mystery Mountain
BabeWatch: Dream Dolls
Bleed

2003 HorrorTales.666
Baberellas
Birth Rite
Zombiegeddon
Delta Delta Die!
Rock n' Roll Cops 2: The Adventure Begins
Barefoot Superstar
Bare Wench Project: Uncensored

2004 Hellcats in High Heels 3
Tales from the Crapper
Blood Gnome

2005 Bare Wench: The Final Chapter
Azira: Blood from the Sand
No Pain, No Gain
Exterminator City

2006 Evil Ever After

2007 Chantal
Black Dahlia Movie: The Elizabeth Short Story
Hollywood Scream Queens

2008 The Lusty Busty Babe-a-que
Magus

Vamos, então, aqui, apreciar-lhe o trabalho como modelo.

Apreciem SEM MODERAÇÃO!!! cheers cheers cheers














































 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Affiliate Network Reviews