2 de agosto de 2009

Demonologia




Howling - Roberto Campus




Feroz Estrada,
Feroz Caminhada,
Feroz Ato,
Feroz Atitude,
Feroz Jornada,
E Um Nobre Demônio
Me Acompanhando E Me Resguardando
Dos Muitos Perigos
Que Ocultam-Se
No Pó Do Mundo.

Ele Não Possui Nome,
Assim Como O Diabo
Não É O Diabo,
Assim Como Satan
Não É Satan,
Assim Como Lúcifer
Não É Lúcifer Revelado
Nos Infernos.

Demos Nomes
A Seres Inomináveis
Que Tanto Zelam
Pelas Esferas Das Trevas
Quanto Pelas Aberturas
Da Consciência
Para O Kosmos.

Demos Nomes
Aos Nossos Terrores
E Os Nossos Terrores
Cresceram Em Demasia
Conforme A Cristã Mentira
Dita De Definição
Da Senda Demoníaca.

Demos Nomes
E Demônio Algum
Se Importa,
Poucos Sabem Dos Seus
Verdadeiros Nomes,
Poucos Possuem A Chave
De Suas Verdadeiras
Existências.
Demos Nomes,
Eles Atendem,
Eles Ouvem,
Eles Chamam,
Eles Assopram N'Alma Humana
O Mesmo Grito De Rebeldia
De Lilith Diante Da Face
De Elohim.

Eles Existem,
São Chamas Acesas,
São Chamas Apagadas,
Tu Podes Ser
Demônio,
Tu Podes Ter
Um Demônio Agarrado
Ao Vosso Pescoço,
Tu Podes Gerar
Um Demônio Acima
De Seu Ventre.

Eles Não Existem,
Demônios Não Existem,
Não Existem Fora De Ti,
Existem Dentro De Ti,
Evoque-Os,
Abrace-Os,
Ame-Os...



Inomináveis Saudações a todos.

Demônios, Demônios, Demônios...

Frutos da ignorância humana?

Demônios, Demônios, Demônios...

Seres Ideais?

Demônios, Demônios, Demônios...

Seres Reais?

Demônios, Demônios, Demônios...

Existem como crêem os religiosos mais fanáticos?

Demônios, Demônios, Demônios...

Existem Como Seres Tateando Aas Trevas As Paredes Do Grande Templo Vitalizador Da Criação?

Demônios, Demônios, Demônios...

Demônios, Demônios, Demônios?

Demônios, Demônios, Demônios.

DEMÔNIOS, DEMÔNIOS, DEMÔNIOS!!!

Este nome, Demônio, tão poderoso, tão forte, tão equilibrador, tão desequilibrador, deve ser buscado em sua Essência. Os gregos acreditavam, antigamente, nos daemons, os Espíritos Familiares, responsáveis pela proteção das casas e das famílias que nas mesmas residiam. O termo “Demônio” surgiu dessa palavra que, por força do Catolicismo, ganhou a esfera tenebrosa que correu os séculos de modo intenso e surreal, todo crime e todo desvio existencial passando a ser obra de ditos Seres, dominados pelo “Diabo”, Seres totalmente dedicados ao “exercício do mais puro mal”... Ah, mas o mundo contemporâneo, leitores virtuais visitantes e membros desta Cova, não crê mais no Diabo, nos Demônios, mesmo sendo antiga esta frase: “a maior astúcia do Diabo é se fazer como inexistente”... Quando se é moldado por uma sociedade essencialmente refém de dogmas religiosos que impedem os sujeitos de obterem melhores visões acerca de suas existências e da Existência Das Coisas Em Verdade, tudo beira à fantasia caótica do desaprender a verdadeiramente pensar. Não pensemos como alguns dos antigos filósofos da tradição filosófica inglesa para os quais a mente é uma “tabula rasa”, uma idéia defendida por John Locke (1632-1704) em Ensaio Sobre O Entendimento Humano (1690); idéia contestada por Gottfried Wilhelm von Leibniz em Novos Ensaios Sobre O Entendimento Humano (1704) com a seguinte e profunda afirmação:



Essa tabula rasa de que tanto se fala é, na minha opinião, uma mera ficção que a natureza de modo algum suporta e se funda nas noções incompletas dos filósofos, como o vazio, os átomos e o repouso absoluto ou respectivo de duas partes de um todo entre elas, ou como a matéria-prima que se conhece sem nenhumas formas.



De formas inatas, aparentemente lançadas no subconsciente por alguma Força Desconhecida, há, de toda e qualquer maneira, no ser humano, a idéia de que tais Seres, os Demônios, tenham, no Plano Astral, uma Existência não como a conhecemos a partir das doutrinas religiosas cristãs e protestantes ou qualquer outra religião, a qual vem ser apenas a elaboração de preceitos humanos que tingidos foram por uma falsa dimensão de Princípios Divinos. Utilizo a citação de Leibniz para afirmar que é da natureza humana, desde que se dá conta de si mesma, na mais tenra idade, formar um conteúdo que já traz em si uma contextualização de algo que herdado foi naturalmente de ancestralidades mui antigas. Por que, então, passam-se os séculos e ainda falamos do Diabo e dos Demônios? Por que, então, com o advento das mais altas tecnologias e das mais racionais filosofias, a partir do Criticismo iniciado por Immanuel Kant (1724-1804) ainda se fala dos Diabos e dos Demônios? Por que, em pleno século vinte e um, o da tão aguardada durante todo o século vinte “Nova Era”, ainda se fala do Diabo e dos Demônios? Vivemos em um tempo de pura ignorância totalizada e totalitária? NÃO! Somos todos fanáticos fundando e frequentando igrejas onde apenas gritos falam mais alto do que os mais altos pensamentos? NÃO! Somos herdeiros, todos nós, de uma herança cristã na existência do Diabo e dos Demônios? SIM! De alguma maneira, de todas, melhor dizendo, somos condicionados a crermos na existência de tais Seres CONFORME OS TRÂMITES DOGMATIZADOS DA RELIGIOSIDADE CRISTÃ E/OU PROTESTANTE OU QUALQUER OUTRA DO MUNDO A TRATAR DO ASSUNTO, melhor, aqui, dizendo. Essa coisa toda, inata, vicia em erros, vicia em crenças das mais tolas que embrutecem a mente, atrofiam a mente, obscurecendo o verdadeiro entendimento não só apenas com relação ao assunto aqui tratado, mas com relação a todo e qualquer assunto. No entanto, quando se Desperta para a Realidade Oculta, quando se procura Saber Da Essência Do Verdadeiro Diabo, quando se procura Saber Da Essência Dos Verdadeiros Demônios, Abrem-Se Portões Novos De Verdadeiros Templos Do Saber.

Em Ocultismo, tudo Existe, basta dar Força e Vontade, Forma e Movimento, a tudo que a mente possa conceber como Real. É claro que nenhum ocultista sério, devidamente centrado no ético de seu Ritual, no ético de seus Preceitos Ocultos, vai instigar à crença fanática em Seres Egrégios como o Diabo dos religiosos, como os Demônios dos religiosos. Estes são Egrégoras, Manifestações dos medos e dos terrores internos humanos, fúteis monstros da insanidade humana que, para escolher um bode expiatório para as degenerações do Gênero Humano como as violências e os preconceitos vários que geram brutalidades das mais violentas culparam Seres Imaginários como o Diabo e os Demônios. Vou me isentar, no entanto, de dizer aqui se creio no Existir do Verdadeiro Diabo e dos Verdadeiros Demônios, pois meus escritos darks, para os que conhecem, indicam claramente a que tipo de pensamento oculto vai o meu tratamento acerca deste assunto. Mas, por experiência pessoal, digo apenas que esses Seres Existem em cumprimento das Leis Cósmicas que obrigam-Nos a Existir como que Equilibrando A Balança Da Criação; Eles residem nas almas humanas, podem ser a partir destas evocados, invocados e gerados... É complicado? É confuso? É ridículo? É risível? Ah, leitores virtuais que em nada crêem além da materialidade, os ocultistas não se importam em serem vistos como complicados, confusos, ridículos e de natureza risível; ocultistas como este Inominável Ser que vos fala, Auto-Iniciado, Seguem O Louco E São O Louco Carregando A Sua Bengala E A Sua Sacola Sem Olhar Para Trás E Para Os Lados, Sempre Caminhando E Direcionando O Olhar Para A Frente. As Manifestações Demoníacas, no Sentido Oculto, estão em nós; estão na jovem que sente a liberdade de ser uma mulher mais livre, fazendo arder tudo que há entre as suas pernas, fazendo a vagina suar mais aceleradamente; estão no jovem dotado de sexualidade exacerbada, coroando o seu pênis sempre enrijecido diante de corpos, tanto de mulheres quanto de outros homens, que possui como um infernal sátiro; está no político que oferece uma face hipócrita de bom homem diante da sociedade e que entre os seus iguais revela-se um infernal monstro; está no executivo que se prontifica a fazer caridades estando a sua alma apenas embebida em egoísmo; estão naqueles que vestem uma farda, adentrando nas “tropas de elite”, dispostos em “caveirões”, prontos para derramarem sangue, tanto inocente quanto culpado, pelas ruas e favelas do mundo que é dito como civilizado, dando como desculpa o fato de agirem em nome de uma “lei” e de uma “ordem” que em si mesmas são as dos predadores irracionais de infernal animalidade; estão nos jovens que possuem status social elevado e saem pelas ruas agredindo prostitutas e empregadas domésticas e trabalhadores sem nenhuma justificativa; estão no poeta escrevendo litanias poéticas aos seus Demônios Internos; estão no escritor exorcizando os seus Demônios Internos através de seus livros; estão aqui em minhas mãos, no momento da escrita deste texto introdutório deste tópico; estão em seus olhos e em sua mente, agora, olhos e mentes captando o que aqui está sendo estabelecido...

Os Demônios, são, assim, quando manifestados, mesmo inconscientemente, no Ser dos homens e das mulheres, de diferentes tonalidades e ações em suas perspectivas de espacialidade e especialidade. O Ser Demônio, nos termos, agora, do encontro com o Verdadeiro Ego, o mais primitivo, o mais ocultado, pelas várias e várias barreiras psíquicas que o convívio social veio a nos incutir através dos séculos, pode elevar ou fazer cair nos abismos mais infernais deste mundo. Quem desconhece o seu Verdadeiro Ego, vai residir em tais abismos que o corroerão internamente e externamente; quem conhece o seu Verdadeiro Ego, o seu Ser Demônio, é capaz de curar, de salvar, de guiar a Humanidade, seja por motivos particularmente egoísticos ou altruistas, já que tudo vai depender de sua moral (ou amoralidade) e de seu temperamento e personalidade. Ser um Demônio, na forma humana, é isso, tanto para o que se denomina como “Bem” quanto para o que se denomina como “Mal”.

Demônios, Verdadeiros Demônios, podem ser amigos. Demônios, Verdadeiros Demônios, podem ser inimigos. Amigos dos que mantém bem limpa e pura toda a estrutura do Caduceu De Hermes. Inimigos dos que se despem da consciência de si mesmos e revestem-se com O Véu De Dejanira. Compreendam, aqui, o Oculto, busquem A Essência, esqueçam as formas destas humanas palavras...

Demônios, Demônios, Demônios...

Demônios, Demônios, Demônios?

Demônios, Demônios, Demônios.

DEMÔNIOS, DEMÔNIOS, DEMÔNIOS!!!

Estudo, Classificação, Vocabulário, Dicionário, aqui neste tópico acerca de Seres que povoam as Esferas Mais Altas Do Mundo Da Imaginação e as Esferas Mais Altas Do Mundo Real.

Encontram-se seus Demônios.

Abracem seus Demônios.

Amem seus Demônios.

Assim digo no poema que introduz a este texto.

No entanto, façam seus próprios poemas em vossos Seres.

Perdição pode ocorrer?

Salvação pode ocorrer?

Tudo depende de ti, O Oculto Te Dirá O Que Tu Nele Desejar Buscar.







Spiral Demon Girl - Henning Ludvigsen





Carnero De Satan



Demônios – Para os entendidos em ciências ocultas, não são nem podem ser uma mesma coisa: o Diabo e suas legiões, e os Demônios. O velho Satanás morre congelado pela indiferença glacial das pessoas que deixaram de acreditar nele. Símbolo do mal que a religião cristã materializa, tomando-o do dualismo persa, volta às intangíveis regiões da idéia pura, e recupera seu caráter inocente de noção metafísica. Do mesmo modo, as legiões satânicas que personificaram os inumeráveis atributos de um senhor, fundem-se e desaparecem nele, livrando as consciências de seus antigos terrores. Sem dúvida, experiências repetidas e deploráveis demonstram que ao invocar as imaginárias entidades infernais, costumam acontecer acidentes desgraçados ao invocador, que às vezes paga com a vida sua intromissão imprudente nas regiões da magia negra. Como isto pode acontecer? Quais são as potências que causam o mal? O Iniciado sabe muito bem: se o Diabo não existe, se seus exércitos infernais são pura lenda, não o são de modo algum as entidades do astral. O Ocultismo ensina que o mundo físico está rodeado por outro mundo, o astral. Outra atmosfera, invisível em circunstâncias normais, nos rodeia. Nela vão parar as almas dos falecidos no momento da morte, revestidas de um corpo de matéria sutil que também abandonam quando ascendem a regiões superiores, de natureza ainda menos material. Nesta atmosfera do Astral Inferior, localizada na terrestre, na zona compreendida pelo cone de sombra que projeta no espaço o nosso planeta, existem:

1º) Os indivíduos da espécie humana falecidos, sobreviventes num estado de consciência em que a razão é joguete das paixões e dos instintos, tanto mais intensos quanto mais baixos e materiais forem;

2º) Os restos astro-corporais dos que abandonaram em sua segunda morte, o já disforme andrajo de matéria etéreo-orgânica que os revestia, restos sensibilizados pelos instintos, que os dota de uma espécie de vida que, a partir do ponto de vista psicológico, podemos comparar com a dos zoófitos, para ter apenas uma idéia aproximada. Estes restos podem se revitalizar à custa de outro ser fisicamente vivo que se ponha em contato com eles e, neste caso, os citados proteus do astral chegam a se condensar tomando a forma adequada ao pensamento que os vitaliza (quase sempre formas monstruosas) tornando-se claramente perceptíveis. Aqui temos a origem das aparições em certas invocações infernais, que fizeram surgir fantasmas horríveis e disformes de aparência diabólica;

3º) Os corpos fluídicos dos animais, seres que conservam no plano astral todos os seus instintos bons ou maus – tais formas podem ser atraidas facilmente por meio de práticas nigromânticas;

4º) Os pensamentos dos homens e os desejos intensos de todos os seres dotados de inteligência e instinto projetam-se no astral, onde perduram mais ou menos tempo, revestidos da envoltura fluídica que tomam, apoderando-se por atração de matéria astro-orgânica.

Todas essas formas constituem um depósito inesgotável de entidades evocáveis, nas quais predominam os piores desejos e que em todas as ocasiões desempenharão, às mil maravilhas, o papel de diabos, às vezes tão ao vivo que se podem fazer sentir pelo invocador. Se este pode atrair todas essas entidades com mais facilidade do que parece possível, nem sempre lhe é possível ver-se livre delas, tornando-se num processo delirante, um obcecado, cujo furor pode chegar ao paroxismo. A loucura completa ou morte põem um fim à história das vítimas dos vampiros das regiões invisíveis.

In: Dicionário De Ciências Ocultas – Planeta Especial
pags. 124/125



Não se pode ser um insensato no contato com essas Forças e Formas acima descritas no texto elucidativo e bem estruturado que nos informa, conforme a prática ocultista, do que se encontra em nosso redor, que podemos atrair se formos de atrair, que podemos rechaçar se formos de rechaçar. São raros, no entanto, aqueles que perfeitamente conseguem lidar com as Forças e Formas acima descritas sem se tornarem amantes das perdidas perspectivas representadas por esses contatos. Verdadeiras Magas, Verdadeiros Magos, nascidos com o Dom Natural Do Dominar As Forças Todas Da Natureza, são os mais indicados para esse processo, pois sem temores e receios, com Vontades Além De Toda Vontade Humana, Eles Fazem Do Diabo Uma Criança E De Cada Demônio Um Bêbe A Ser Ninado No Colo. Claro que estas palavras são alegorias simbólicas que necessitam ser interpretadas à Luz Oculta; no entanto, lembrem-se do escrito por Eliphas Levi Zahed (1810-1875):


O Diabo Se Dá Ao Mago E O Feiticeiro Se Dá Ao Diabo



Mais uma alegoria, claro, que deve ser interpretada pelos que Sabem Ler. Um estudo oculto se faz necessário para saber-se interpretar o Ocultismo de um modo sério, ordenado, coerente com a Ciência que o mesmo representa. Porém, não podemos nos negar a visualizar o que é a tônica deste tópico, a Demonologia, o Estudo Dos Demônios, dispersa em obras de demonográfos do mundo inteiro, sendo famosos dentre eles Pedro Delancre (? - 1630), Pedro Leloyer (1550-?), Johannes Weyer, conhecido como Wierus (1515-1588) e Jules Eudes de Catteville de Mirville, conhecido como Eudes de Mirville (1802-1873) . Este post foi apenas uma citação de uma visão ocultista-científica acerca da temática aqui abordada. Vamos, agora, à temática propriamente dita a partir do próximo post. A temática dos Habitantes Dos Abismos Astrais.




Fire Demon







Anger Demon - Laurentiu Mates



Demonografia – Descrição dos Demônios, da organização do Inferno, dos poderes e atributos que correspondem a cada entidade maléfica, sobre a maneira de invocá-los e estabelecer pactos com eles, sobre suas intervenções nos fatos da feitiçaria, etc. Os autores que tratam destas coisas recebem o nome de demonógrafos, como Delancre, Leloyer, Wierus e outros não menos famosos.

In: Dicionário De Ciências Ocultas – Planeta Especial
pags.125/128



Adentraremos agora, realmente, nos Abismos, descerrando todos os Véus Noturnos, tocando nos maiores Caminhos Obscuros, Negros Caminhos, Ferozes Caminhos. A Demonologia faz parte fundamental, até hoje, da Igreja Católica, pois em toda a sua História sempre houveram estudiosos e ferrenhos combatentes dos Seres Infernais, conhecidos pela alcunha de Exorcistas. Para todo ocultista, saber dessas fontes de estudos demonográficos é fundamental, mesmo que seja, apenas, para vias de conhecimento, já que o preparo adequado para a Evocação e Invocação dessas Forças e Formas é feito através de elaborados e complicados métodos para alguns. Raramente, pode-se manter contato psíquico com um Demônio genuino, um Demônio propriamente dito, sem, no entanto, deixar-se levar pelas Energias Abissais do mesmo, que podem fulminar os espíritos despreparados e incautos, como dito no trecho do Dicionário aqui utilizado neste tópico anteriormente. Alguns ocultistas não aceitam essa teoria de acesso psíquico a um Demônio, mas há Caminhos e Caminhos dentro do Ocultismo que, afinal de contas, não é uma religião ou seita ortodoxa. O contato pode existir diretamente, por intermédio de outras Entidades, por simples e pura manipulação de Energias Abissais através da Magia Do Caos. A Magia Negra? Sim, também é participativa e gera bons resultados se você estiver com todas as suas faculdades mentais em dia; não se pode ser desequilibrado ao lidar-se com tais Seres, estamos em um terreno mais de perigos diretos e eficazes do que de leitos deliciosos, prazerosos, sublimemente acalentadores de almas que percorrem os becos e as ruas da Noturna Senda.

Demônios podem ser venerados? Bem... veneração é algo antiquado, pense Neles como seu irmão mais velho, bem antigo, muito mais sábio do que você jamais será enquanto for seguidor, talvez, das palavras dos demais ao invés de moldar os seus próprios livros existenciais.

Demônios podem me possuir? Podem se você for um fraco estúpido a lidar com Eles; você é quem deve possui-los como filhos amados em vossa alma.

Demônios podem me devorar? Podem se você for um canalha cheio de vícios destrutivos, a verdadeira forma de lidar-se com Demônios é ser amável, amá-los, Amor Abre As Portas Até Dos Abismos Infernais.

Demônios, Demônios, Demônios...

Demônios, Demônios, Demônios?

Demônios, Demônios, Demônios.

DEMÔNIOS, DEMÔNIOS, DEMÔNIOS!!!

Não os tema, ame-os muito, Eles lhe atenderão.

Demônios podem amar?

Quem pode saber disso? Arrisques tudo para poder saber disso...

Listarei, em ordem alfabética, os nomes e os atributos dos Demônios inseridos no Dicionário que estou a utilizar como referência para este tópico. Termino este post com uma preparação para o que virá.



Diabos – Conjunto ou reunião dos seres infernais que moram no Inferno sob a dependência e o poder de Satanás. O Inferno está dividido como uma grande monarquia em classes diferentes de Diabos que, segundo sua espécie e importância, exercem poderes maiores ou menores. Ali existem príncipes, grão-duques, ministros, generais, marqueses, condes, etc., e às ordens destas personalidades os demonólogos fazem figurar hostes formidáveis de Diabos. A escala ou hierarquia dos poderes diabólicos está formada do seguinte modo (aceitando o parecer mais comum, entre os autores que tratam destas coisas, curiosa síntese das descrições que encontramos no notável grimório intitulado Tratado Completo De Verdadeira Magia): Lúcifer, Imperador; Belzebu, Príncipe; Astaroth, Grão-Duque. Estes são os espíritos do reino infernal. Depois vem os espíritos superiores que estão subordinados aos anteriores e são: Lucifugo, Primeiro-Ministro; Satanachia, Grão-General; Agliareth, Grão-General; Fleuretti, Tenente-General; Sargatanas, Brigadeiro; Nebiros, Marechal-De-Campo. Os seis grandes espíritos que acabamos de mencionar dirigem toda a potência infernal que foi dada aos outros espíritos. E mesmo que ainda existam milhões de espíritos subordinados aos precedentes, seria inútil enumerá-los porque não se podem evocar sem a ordem dos espíritos superiores que os mantém como escravos. Assim, fazendo-se o pacto com um dos seis principais, não deve importar qual seja o espírito que os sirva.

Pag, 128







Demon - Grzegorz Kmin


A Demonografia aqui está disponível:

Demonologia - Projeto C.O.V.A. - Forumeiros





Share:

0 Ossos Lançados:

Tecnologia do Blogger.

Sobre Esta Cova







Inomináveis Saudações a todos!



Este é o blog do Projeto Companhia De Organizadores De Viagens Abissais (C.O.V.A.), o qual é totalmente voltado para a Arte Sombria, em suas manifestações através da Poesia, Literatura, Pintura, Desenho, Ilustração, Arte Digital, Música, Escultura, Arquitetura, Cinema e novas expressões artísticas e intelectivas que a todo o momento brotam das mentes dos que abordam tal temática. Com o intuito de reunir o máximo possível de artistas e interessados na mesma, então, aqui fundo este blog para divulgar o trabalho realizado nas páginas de mesmo nome existente no Forumeiros, além da elaboração de postagens com assuntos que não está no mesmo disponível.



Bem-vindos, Coveiros e visitantes!



Bem-vindos, cadáveres leitores!



Saudações Inomináveis a todos!



Inominável Ser

O COVEIRO

ADMINISTRADOR



Os Escribas Coveiros

Enterram-Se Nesta Cova:

Blog Archive

Labels

Covas Recomendáveis

Parcerias

Meu Perfil No Facebook

Lápides Eternamente Inderrubáveis

Recent Posts

Unordered List

Inomináveis Saudações! Escolham um de nossos banners e tornem-se Parceiros do Projeto C.O.V.A., enviando-nos o banner e o link de vosso trabalho para este endereço de e-mail: projetocova@gmail.com Design por Laracna D'Angels

Theme Support